Solidariedade

CONCERTO PELA PAZ - SÁBADO, 21 DE MAIO, 15H30 - FORUM LISBOA

A União dos Sindicatos de Lisboa CGTP-IN, apela à participação no concerto organizado pelo Conselho Português para a Paz e Cooperação, no dia 21 de Maio, no Fórum Lisboa. Num momento em que vemos crescer as ameaças à paz em vários pontos do mundo, torna-se cada vez mais necessário afirmarmos a nossa indignação face às guerras e à corrida aos armamentos, quando deveríamos estar a assistir a esforços sérios com vista ao desarmamento global.
Coloca-se, assim, a necessidade de afirmar a nossa solidariedade com todos os povos vítimas de colonialismo, de actos de ingerência externa, de conflitos armados, de injustiças e desigualdades sociais, da opressão e do desrespeito da sua soberania e independência nacionais.

 

CUMPRIR ABRIL! Marquês de Pombal 15H

A União dos Sindicatos de Lisboa/CGTP-IN vai participar nas Comemorações do 48.º Aniversário da Revolução de 25 de Abril de 1974, que derrubou o regime ditatorial fascista, provocando profundas transformações na nossa sociedade e instituindo um regime Democrático, com direitos políticos, sociais e culturais, que vieram a ficar consagrados na Constituição da República Portuguesa de 1976.

Celebramos também, neste ano, o facto desta nova vivência democrática, em plena Liberdade, perdurar mais tempo do que a longa noite em que o regime fascista do Estado Novo mergulhou o nosso País. A complexa situação que vivemos, com uma guerra que condenamos, não pode servir de pretexto para adiar a resposta aos problemas dos trabalhadores nem, muito menos, para dar cobertura ao aumento da exploração, à degradação das condições de vida, ao aumento das desigualdades e à tentativa de imposição de uma ainda maior fragilização das condições de trabalho.

Depois do aproveitamento da pandemia pelos grupos económicos para acumularem lucros colossais, enquanto os trabalhadores eram atingidos nas suas condições de vida e direitos, está agora em curso um processo de aproveitamento da guerra e das sanções para um brutal aumento de preços e degradação do poder de compra dos salários, empobrecendo os trabalhadores ao mesmo tempo que as multinacionais e os grupos económicos promovem a especulação e se preparam para concentrar lucros e dividendos cada vez maiores.

Perante o aumento dos discursos e das campanhas defensoras de práticas discriminatórias e antidemocráticas, como a limitação à liberdade sindical, a xenofobia, o racismo e a desigualdade de género, impõem-se respostas firmes, assumindo o cumprimento da Constituição da República Portuguesa, referência maior da Revolução dos Cravos, garantindo a sua matriz democrática, progressista e solidária.

Neste sentido, é muito importante uma forte participação e mobilização nas comemorações populares do 48º Aniversário do 25 de Abril, exigindo: a defesa do emprego com direitos e contra a precariedade, o direito à contratação coletiva, o aumento geral dos salários e das pensões, a redução do horário semanal de trabalho para as 35 horas, o reforço dos serviços públicos e das funções sociais do Estado na Saúde, no Ensino e na Segurança Social.

Não ao bloqueio dos EUA- Cuba Vencerá

A União dos Sindicatos de Lisboa-CGTP-IN esteve presente no dia 15 de Julho, ao final da tarde, junto à Embaixada de Cuba na Iniciativa de solidariedade com Cuba promovida pela a Associação de Amizade Portugal Cuba (AAPC), a CGTP-IN e o Conselho Português para a paz e Cooperação (CPPC), contra o bloqueio a Cuba.

 

Esta acção teve como objectivo denunciar a hipocrisia daqueles que como os EUA, tentam asfixiar a economia de Cuba e impor dificuldades ao Povo Cubano. Libério Domingues referiu na sua intervenção “Dias depois de o Mundo ter votado a favor do fim do bloqueio a Cuba, com 184 votos a favor e apenas 2 contra – Israel e EUA - intensificam-se novas acções de ingerência e agressão por parte do imperialismo contra o povo e os trabalhadores e a revolução cubana”. É importante salientar que Cuba resiste, há mais de 60 anos, ao bloqueio imposto pelos EUA.

Ler mais...

10 Milhões de seringas para Cuba

A União dos Sindicatos de Lisboa- CGTP-IN, irá realizar um acto simbólico de entrega, do valor apurado pelo Movimento Sindical Unitário (MSU) do nosso distrito, para a compra de seringas para Cuba, no próximo dia 23 de Junho, no Largo de Camões.  

Não obstante o criminoso bloqueio imposto pelos EUA, Cuba conseguiu desenvolver e produzir várias vacinas próprias contra a COVID-19. No entanto, em virtude do bloqueio, o país confronta-se com inúmeras dificuldades na aquisição de seringas necessárias para levar avante a vacinação a toda a população, pelo que está em curso uma campanha europeia de solidariedade com o objectivo de oferecer 10 milhões de seringas a Cuba.

Solidário desde sempre com a luta do Povo Cubano, o Movimento Sindical Unitário não pode deixar de se associar a esta tão importante campanha. Naturalmente, a USL decidiu associar-se e apela a todos os Sindicatos do Distrito que se associem a esta causa, contribuindo com um montante que possam disponibilizar. 
 

 

As contribuições devem ser feitas para o IBAN PT50 0033 000 000 580 164 116 97 cujo titular é a Associação de Amizade Portugal Cuba, fazendo a menção “seringas”.  

 

O bloqueio a Cuba mata, a nossa solidariedade salva vidas. 

Iniciativas de Solidariedade com a Palestina

A União dos Sindicatos de Lisboa associou-se ao CPPC, à CGTP-IN e ao MPPM que irão realizar na próxima 2ªfeira, dia 17 de Maio, duas iniciativas de Solidariedade com a Palestina e o seu povo, exigindo o fim da agressão e da ocupação da Palestina: no Porto e em Lisboa, às 18h no Martim Moniz.

Esta Iniciativa realiza-se quando há o recrudescimento de uma brutal ofensiva de Israel, nas últimas semanas, contra a população palestina em Jerusalém, torna claro que a limpeza étnica da Palestina é um processo contínuo.

Em 14 de Maio de 1948 o Estado de Israel foi auto-proclamado sobre as ruínas de mais de 500 cidades e aldeias palestinas, sobre cerca de 15 mil mortos palestinos e sobre o roubo das propriedades dos mais de 750 mil palestinos forçados a abandonar as suas casas e terras.

Em 1967, Israel ocupou toda a Palestina histórica, impondo aos palestinos um regime racista, colonial e de apartheid.

Contra a perpetuação dessa injustiça, o povo palestino resiste, todos os dias, em Sheik Jarrar, em Hebron ou em Gaza.

Convidamos todos a divulgar e a estarem presentes.

Saudações de Paz.

Acto Público pela Paz: Não à Guerra, Não às Sanções e Bloqueios!

A União dos Sindicatos de Lisboa- CGTP-IN em conjunto com o Conselho Português para a Paz e cooperação (CPPC), realizam no dia 14 de Abril pelas 18 horas no Martim Moniz, um acto público pela paz.

A paz é uma urgência do presente e uma exigência de futuro. A cada escalada de tensão, a cada prolongamento dos bloqueios, a cada nova sanção, a cada novo bombardeamento, cresce a importância da afirmação da defesa da paz.

Estes actos públicos pela paz, que se realizam a 14 e 15 de Abril, apelam ao fim da guerra, das sanções e dos bloqueios. Os valores da Paz, da solidariedade e da cooperação entre os povos é condição indispensável para o progresso, para a conquista de direitos, e para a criação de emprego e o desenvolvimento indissociável do progresso social e da melhoria das condições de vida e de trabalho.

Os desenvolvimentos no plano internacional não deixam margem para dúvidas: a pandemia não suspendeu as agressões, as sanções e os bloqueios; muito pelo contrário, apenas intensificou as suas criminosas consequências, nomeadamente no plano da saúde. Agravando a situação dos trabalhadores e dos povos, promovendo o aumento da exploração com o ataque aos direitos e soberania dos povos.

Este acto de solidariedade, exige ainda que Portugal, no quadro das relações internacionais desenvolva uma política de paz, amizade e cooperação, em consonância e no respeito da constituição da República Portuguesa.

O Governo português deve realizar uma política que pugne pela solução pacífica dos conflitos internacionais, a não ingerência nos assuntos internos dos outros Estados, a cooperação com os outros povos, a paz e o desarmamento, a soberania e independência nacional – e não uma política determinada pelos interesses hegemónicos dos EUA, da NATO e da UE.

PELA PAZ TODOS NÃO SOMOS DEMAIS!

Solidariedade Com Os Trabalhadores E Com O Povo Da Palestina

Não à anexação! Fim aos crimes de Israel!

A CGTP-IN é uma das organizações promotoras de um acto público de solidariedade com a Palestina e de protesto contra a anexação e os crimes de Israel, que decorrerá na 2ª-feira, dia 6 de Julho, pelas 18h30 horas, no Largo Martim Moniz, em Lisboa.

«O novo governo de Israel anunciou a anexação de 30% da Cisjordânia, internacionalmente reconhecida como território palestiniano, a partir do dia 1 de Julho. Uma tal anexação visa inviabilizar a criação do Estado da Palestina, prometido desde há décadas por múltiplas resoluções da Assembleia Geral e do Conselho de Segurança da ONU.

A ameaça de anexação, inseparável da cumplicidade do Governo dos EUA e do Presidente Trump, é um atentado aos inalienáveis direitos do povo palestiniano. Ao rasgar décadas de promessas e resoluções, é também um atentado ao Direito Internacional, à Carta das Nações Unidas, e ao próprio conceito de resolução pacífica e política dos conflitos internacionais.

Estamos perante a ameaça dum crime que poderá incendiar a Palestina e todo o Médio Oriente e que é uma real ameaça à Paz mundial. É por isso imperativo travar os planos anexionistas dos governos de Israel e dos EUA. Perante a gravidade e urgência da situação, as organizações signatárias apelam à participação de todos quantos são solidários com a justa causa do povo palestiniano e que defendem a paz.

Privacidade

Está em... Home Solidariedade