TRABALHADORES DA EMEF EM LUTA

Com um desfile entre a sede da CP e a residência oficial do primeiro ministro, terminou a Marcha pelo Regresso ao Futuro, que os trabalhadores da EMEF realizaram durante este mês, com o objectivo de exigir o retorno à CP e lutar contra os projectos de divisão da empresa que estão em análise no governo. Nestas acções que percorreu Vila Real de Santo António; Porto, Entroncamento, Barreiro e Lisboa exigiram também o fim do trabalho precário com a passagem a efectivos dos trabalhadores nessa situação, assim como a admissão dos trabalhadores necessários e pelo direito à negociação colectiva, reivindicando a abertura da revisão do Acordo de Empresa e do Regulamento de Carreiras. Esta foi uma etapa de uma luta que vai continuar no próximo mês de Maio.

GREVE NA CELCAT

Iniciou-se às zero horas de 28 de Abril, uma greve de 24 horas dos trabalhadores da CelCat, em luta por melhores salários e pela revisão do Acordo de Empresa (A.E.). A direcção da General Cable CelCat vem rejeitando todas as propostas apresentadas pela Comissão Negociadora do sindicato (SIESI) por “inoportunidade e incapacidade “. A exigência de aumentos salariais faz parte da proposta de revisão do A.E. para 2017, apresentada pelo SIESI. A Comissão Negociadora Sindical deu seguimento à decisão dos plenários de trabalhadores, realizados na semana passada, e marcou acções de luta pela defesa do Acordo de Empresa e melhoria das condições de vida dos trabalhadores.

TRABALHADORES DA PETROGAL EM LUTA!

TRABALHADORES DA PETROGAL EM LUTA!Hoje, pelas 10h30, os trabalhadores da Petrogal, de Lisboa, Matosinhos e Sines, realizaram uma concentração junto à sede da empresa, nas Torres de Lisboa (na foto). Uma hora depois, dirigiram-se ao Ministério do Trabalho reclamar a promoção da negociação colectiva e a não objecção ao exercício do direito à greve. Por fim, dirigiram-se também ao Instituto de Seguros de Portugal lutar denunciar o facto de a empresa estar a roubar os complementos de reforma. Esta jornada faz parte das acções marcadas pela Comissão Sindical Negociadora, após decisão aprovada em plenários, e tem o apoio da Comissão Central de Trabalhadores.

Mais... TRABALHADORES DA PETROGAL EM LUTA!

OS TRABALHADORES DO COMÉRCIO, ESCRITÓRIOS E SERVIÇOS CONTINUAM EM LUTA!

OS TRABALHADORES DO COMÉRCIO, ESCRITÓRIOS E SERVIÇOS CONTINUAM EM LUTA!

Terminada a Quinzena de Luta, trabalhadores decidem que a luta vai continuar já no 1º de Maio. De 3 a 16 de Abril milhares de trabalhadores do comércio, escritórios 

e serviços realizaram um vasto conjunto de acções de luta em defesa das suas reivindicações. Participaram nestas acções trabalhadores da grande distribuição, do comércio a retalho, de IPSSs e Misericórdias e outros sectores de serviços, em centenas de locais de trabalho. 

Os trabalhadores do sector estiveram em luta durante toda a primeira quinzena de Abril por: 

- Aumentos salariais e o fim das discriminações salariais, horários regulados que permitam a harmonização entre a vida profissional e a vida pessoal e familiar, justiça nas carreiras profissionais, o fim do trabalho precário, o fim dos ritmos de trabalho destruidores da sua saúde, o fim do assédio moral, pressão e repressão nos locais de trabalho, pela negociação, respeito e cumprimento da contratação colectiva.

Mais... OS TRABALHADORES DO COMÉRCIO, ESCRITÓRIOS E SERVIÇOS CONTINUAM EM LUTA!

PROFESSORES DESFILAM ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E SÃO BENTO

PROFESSORES DESFILAM ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E SÃO BENTOProfessores e educadores, hoje, dia 18 de Abril, concentrar-se-ão às 15 horas junto ao Ministério da Educação, daí partindo para a Residência Oficial do Primeiro-Ministro transportando uma faixa com 550 metros preenchida com fotografias de professores e educadores que dão o rosto pela Profissão e pela Escola Pública. Ao ultrapassar as mil fotografias, número inicialmente fixado para preencher 500 metros de faixa, houve necessidade de a aumentar em 10%.

Os professores e educadores portugueses exigem, do Governo, a garantia de que serão tomadas medidas que melhorem as suas condições de trabalho, designadamente ao nível dos horários, atenuem o acentuado desgaste que resulta do exercício continuado da profissão, permitam uma renovação geracional do corpo docente das escolas, ao mesmo tempo que promovam a sua estabilidade de emprego e profissional.

Mais... PROFESSORES DESFILAM ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E SÃO BENTO

TRABALHADORES DA LIMPEZA DO HOSPITAL CURRY CABRAL CONTINUAM A LUTA

TRABALHADORES DA LIMPEZA DO HOSPITAL CURRY CABRAL CONTINUAM A LUTAOs trabalhadores da IBERLIM no HOSPITAL CURRY-CABRAL saturados de que a empresa continue a brincar com os seus direitos e que não cumpra com o Contrato Coletivo de Trabalho e o Acordo de Condições Específicas, que se aplica no seu local de trabalho, voltaram à luta com uma nova GREVE no dia 17 de Abril. Desta forma, demonstraram mais uma  vez que estão unidos e organizados, que exigem respeito, justiça e querem ser tratados com dignidade! 

Após a forte greve realizada no passado dia 9 de Dezembro a IBERLIM não demonstrou qualquer intenção em resolver os problemas destes trabalhadores nem reuniu som o seu sindicato, STAD, para discutir as matérias que constantes no Caderno Reivindicativo e no pré-aviso de greve, demonstrando uma total falta de respeito pelas justas reivindicações apresentadas. Os Trabalhadores de Limpeza Hospitalar têm que ser respeitados, como parte integrante na manutenção de um bom serviço no Hospital Curry Cabral, pois é com a execução competente das suas funções que a própria Higiene, Segurança e Limpeza do Hospital é devida e correctamente assegurada.

TRABALHADORES NÃO DOCENTES EM LUTA DIA 21 DE ABRIL

TRABALHADORES NÃO DOCENTES EM LUTA DIA 21 DE ABRILApós a grandiosa greve dos trabalhadores não docentes que, de forma bem evidente, reafirmaram a exigência da satisfação das suas justas reivindicações, a Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais reuniu, com a Secretária de Estado Adjunta e da Educação, a quem voltou a exigir o cumprimento das promessas feitas com medidas políticas concretas para a resolução dos problemas que afectam os trabalhadores e a qualidade da escola pública, nomeadamente: 

•O fim à falta crónica de pessoal; 

•A integração imediata dos trabalhadores; 

•A revogação da portaria de rácios ;

•A reposição/criação de carreira especial;

Perante a ausência de resposta do ME às justas reivindicações dos trabalhadores não docentes, a Federação decidiu dar continuidade à sua luta com uma manifestação/concentração frente ao Ministério da Educação no próximo dia 21 de Abril, sendo o ponto de encontro na Avenida 5 de Outubro junto à estação da CP.

Ler comunicado.

GREVE DOS TRABALHADORES DO MINIPREÇO/CLAREL

GREVE DOS TRABALHADORES DO MINIPREÇO/CLAREL A escravatura acabou, gritavam os trabalhadores, que se concentraram à porta da sede da empresa em Oeiras, no passado dia 13. Os trabalhadores estiveram em greve levando ao encerramento de muitas lojas no país. Exigiram ser ouvidos e as suas reivindicações serem respeitadas. São trabalhadores que lutam por aumentos salariais face à perda de poder de compra que têm vivido nos últimos anos. São ritmos de trabalho elevadíssimos face ao reduzido número de trabalhadores existente nas lojas e armazéns. São horários selvagens que impossibilitam a conciliação do trabalho com a vida pessoal e familiar. Perseguição à organização sindical é uma realidade inaceitável. A empresa chega a incentivar os responsáveis de loja a atribuir má avaliação aos operadores, chegando ao ponto de ordenaram a reavaliação quando consideram muito boa. Os trabalhadores aprovaram uma resolução onde decidiram prosseguir a luta aderindo à greve prevista para o 1º de Maio.

ASSISTENTES DE PORTOS E AEROPORTOS EM GREVE

ASSISTENTES DE PORTOS E AEROPORTOS EM GREVEOs APA´s – Assistentes de Portos e Aeroportos iniciaram a 13 de Abril, e prolongaram até ao dia de ontem, uma greve de duas horas por dia, no início do seu horário normal de trabalho.  Realizaram também concentrações/manifestações nos Aeroportos de Lisboa e do Porto, marcando presença na concentração de Lisboa Arménio Carlos, secretário-geral da CGTP-IN. “Após sete meses de negociação, os últimos três acompanhados de perto pelo Governo, as empresas mantêm a sua postura e intenção de precarizar eternamente estes trabalhadores, pelo que chegou o momento de voltarmos à luta” afirma o sindicato (SITAVA), num comunicado onde explica as razões da greve. O SITAVA recorda que, em Dezembro, foi desconvocada uma greve de três dias “devido a um conjunto de compromissos assumidos inclusive com a intervenção do Governo e hoje, mais de 3 meses após esses compromissos, nada mudou. Ou melhor, o que mudou, foi para pior”.

Ler comunicado. 

Está em... Home Acção Reivindicativa