Emprego - União dos Sindicatos de Lisboa - CGTP-IN http://www.uniaolisboa-cgtp.pt/emprego 2017-12-17T20:59:30+00:00 Joomla! - Open Source Content Management DIA NACIONAL DA PREVENÇÃO E SEGURANÇA NO TRABALHO - 28 DE ABRIL 2017-04-28T17:02:47+01:00 2017-04-28T17:02:47+01:00 http://www.uniaolisboa-cgtp.pt/emprego/1536-dia-nacional-da-prevencao-e-seguranca-no-trabalho-28-de-abril João Casanova joao.casanova@netcabo.pt <div class="feed-description"><p><img src="images/stories/uniao_imgs/2017/MAI/foto_estaleiro_3.jpg" border="0" width="264" height="" style="float: left;" />A CGTP-IN saúda o Dia Nacional da Prevenção e Segurança no Trabalho de 2017, prestando a sua homenagem a todas as vítimas de acidente de trabalho e doença profissional e às suas famílias.</p> <p>O objectivo central da comemoração deste dia é chamar a atenção e sensibilizar a sociedade em geral, e em especial os trabalhadores e os empregadores, para a necessidade da prevenção e da protecção face aos riscos profissionais em todos os locais de trabalho.</p> <p>Como qualquer actividade humana, o trabalho envolve riscos, mas estes riscos podem ser eliminados, evitados e/ou reduzidos à mínima expressão, mediante o desenvolvimento de um conjunto de actividades orientadas para esse fim – as actividades de prevenção dos riscos profissionais.</p> </div> <div class="feed-description"><p><img src="images/stories/uniao_imgs/2017/MAI/foto_estaleiro_3.jpg" border="0" width="264" height="" style="float: left;" />A CGTP-IN saúda o Dia Nacional da Prevenção e Segurança no Trabalho de 2017, prestando a sua homenagem a todas as vítimas de acidente de trabalho e doença profissional e às suas famílias.</p> <p>O objectivo central da comemoração deste dia é chamar a atenção e sensibilizar a sociedade em geral, e em especial os trabalhadores e os empregadores, para a necessidade da prevenção e da protecção face aos riscos profissionais em todos os locais de trabalho.</p> <p>Como qualquer actividade humana, o trabalho envolve riscos, mas estes riscos podem ser eliminados, evitados e/ou reduzidos à mínima expressão, mediante o desenvolvimento de um conjunto de actividades orientadas para esse fim – as actividades de prevenção dos riscos profissionais.</p> </div> TRIBUNA PÚBLICA SOBRE A PRECARIEDADE NO MUNICÍPIO DE LISBOA 2017-03-13T13:14:26+00:00 2017-03-13T13:14:26+00:00 http://www.uniaolisboa-cgtp.pt/emprego/1482-tribuna-publica-sobre-a-precariedade-no-municipio-de-lisboa João Casanova joao.casanova@netcabo.pt <div class="feed-description"><p><img src="images/stories/uniao_imgs/2017/MAR/praca_municipio_lx.jpg" border="0" alt="TRIBUNA PÚBLICA SOBRE A PRECARIEDADE NO MUNICÍPIO DE LISBOA" width="264" style="float: left; border: 0;" />O STML e o STAL vão realizar, no dia 17 de Março pelas 14h30, uma tribuna pública sobre a precariedade, na Praça do Município. Na Câmara Municipal, Empresas Municipais e principalmente nas Juntas de Freguesia de Lisboa, o recurso a trabalhadores com vínculo precário tem sido nos últimos anos uma prática recorrente. Referimo-nos aos Contratos a Termo, Recibos-Verdes ou Contratos de Emprego/Inserção (CEI), que actualmente envolvem um número cada vez mais elevado de trabalhadores. Todos são indispensáveis ao funcionamento dos serviços públicos onde estão integrados, mas exercem as suas funções com nenhuns ou poucos direitos laborais e menos protecção social.</p> <p>Há um Pré-aviso de Greve das 13h00 às 21h00 para todos os trabalhadores da Câmara Municipal, Juntas de Freguesia e Empresas Municipais!</p> </div> <div class="feed-description"><p><img src="images/stories/uniao_imgs/2017/MAR/praca_municipio_lx.jpg" border="0" alt="TRIBUNA PÚBLICA SOBRE A PRECARIEDADE NO MUNICÍPIO DE LISBOA" width="264" style="float: left; border: 0;" />O STML e o STAL vão realizar, no dia 17 de Março pelas 14h30, uma tribuna pública sobre a precariedade, na Praça do Município. Na Câmara Municipal, Empresas Municipais e principalmente nas Juntas de Freguesia de Lisboa, o recurso a trabalhadores com vínculo precário tem sido nos últimos anos uma prática recorrente. Referimo-nos aos Contratos a Termo, Recibos-Verdes ou Contratos de Emprego/Inserção (CEI), que actualmente envolvem um número cada vez mais elevado de trabalhadores. Todos são indispensáveis ao funcionamento dos serviços públicos onde estão integrados, mas exercem as suas funções com nenhuns ou poucos direitos laborais e menos protecção social.</p> <p>Há um Pré-aviso de Greve das 13h00 às 21h00 para todos os trabalhadores da Câmara Municipal, Juntas de Freguesia e Empresas Municipais!</p> </div> ESTORIL SOL AMEAÇA TRABALHADORES COM A RETIRADA DE DIREITOS 2017-02-08T17:13:25+00:00 2017-02-08T17:13:25+00:00 http://www.uniaolisboa-cgtp.pt/emprego/1458-estoril-sol-ameaca-trabalhadores-com-a-retirada-de-direitos João Casanova joao.casanova@netcabo.pt <div class="feed-description"><p><img src="images/stories/uniao_imgs/2017/FEV/trabalhadores_estoril_sol.jpg" border="0" alt="ESTORIL SOL AMEAÇA TRABALHADORES COM A RETIRADA DE DIREITOS" width="264" style="float: left; border: 0;" />A Estoril Sol está a ameaçar os trabalhadores com a retirada de direitos se estes não aderirem ao Acordo de Empresa (AE) celebrado com os sindicatos da UGT, informou hoje a FESAHT - Federação dos Sindicatos da Agricultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de Portugal, num comunicado divulgado à Imprensa. Há trabalhadores a quem a empresa recusou o complemento de subsídio de doença, alegando que têm de aderir ao AE da UGT se quiserem continuar a ter acesso aos direitos.</p> </div> <div class="feed-description"><p><img src="images/stories/uniao_imgs/2017/FEV/trabalhadores_estoril_sol.jpg" border="0" alt="ESTORIL SOL AMEAÇA TRABALHADORES COM A RETIRADA DE DIREITOS" width="264" style="float: left; border: 0;" />A Estoril Sol está a ameaçar os trabalhadores com a retirada de direitos se estes não aderirem ao Acordo de Empresa (AE) celebrado com os sindicatos da UGT, informou hoje a FESAHT - Federação dos Sindicatos da Agricultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de Portugal, num comunicado divulgado à Imprensa. Há trabalhadores a quem a empresa recusou o complemento de subsídio de doença, alegando que têm de aderir ao AE da UGT se quiserem continuar a ter acesso aos direitos.</p> </div> SCOTTURB LUCRA MILHÕES E PAGA TOSTÕES 2017-02-02T10:46:57+00:00 2017-02-02T10:46:57+00:00 http://www.uniaolisboa-cgtp.pt/emprego/1451-scotturb-lucra-milhoes-e-paga-tostoes João Casanova joao.casanova@netcabo.pt <div class="feed-description"><p><a href="http://www.fectrans.pt/images/informacao/comunicados/Comunicado_STRUP_janeiro_2017.pdf" target="_blank" title="comunicado strup fectrans"><img src="images/stories/uniao_imgs/2017/FEV/scotturb11.jpg" border="0" alt=" SCOTTURB LUCRA MILHÕES E PAGA TOSTÕES" width="264" style="float: left; border: 0;" /></a>A Scotturb teve um lucro de 3,5 milhões de euros nos anos 2014 e 2015 mas apenas actualizou os salários dos seus trabalhadores em 23 cêntimos/dia. Agora pretende ainda aumentar o horário de trabalho e retirar direitos, denuncia a Federação dos Sindicatos dos Transportes no seu site (<a href="http://www.fectrans.pt" target="_blank" title="FECTRANS">FECTRANS</a>). A Scotturb é uma empresa de transporte rodoviário de passageiros que com actividade nos concelhos de Cascais, Sintra e Oeiras. Num comunicado em que convoca os trabalhadores para um plenário no próximo dia 4 de Fevereiro, o sindicato representativo dos trabalhadores, STRUP, denuncia ainda que a empresa empresa continua a recorrer à prática ilegal de contratação de trabalhadores a prazo para a ocupação de postos de trabalho permanentes. </p> <p><a href="%20http:/www.fectrans.pt/images/informacao/comunicados/Comunicado_STRUP_janeiro_2017.pdf" target="_blank" title="comunicado strup fectrans">Ler comunicado do STRUP.</a></p></div> <div class="feed-description"><p><a href="http://www.fectrans.pt/images/informacao/comunicados/Comunicado_STRUP_janeiro_2017.pdf" target="_blank" title="comunicado strup fectrans"><img src="images/stories/uniao_imgs/2017/FEV/scotturb11.jpg" border="0" alt=" SCOTTURB LUCRA MILHÕES E PAGA TOSTÕES" width="264" style="float: left; border: 0;" /></a>A Scotturb teve um lucro de 3,5 milhões de euros nos anos 2014 e 2015 mas apenas actualizou os salários dos seus trabalhadores em 23 cêntimos/dia. Agora pretende ainda aumentar o horário de trabalho e retirar direitos, denuncia a Federação dos Sindicatos dos Transportes no seu site (<a href="http://www.fectrans.pt" target="_blank" title="FECTRANS">FECTRANS</a>). A Scotturb é uma empresa de transporte rodoviário de passageiros que com actividade nos concelhos de Cascais, Sintra e Oeiras. Num comunicado em que convoca os trabalhadores para um plenário no próximo dia 4 de Fevereiro, o sindicato representativo dos trabalhadores, STRUP, denuncia ainda que a empresa empresa continua a recorrer à prática ilegal de contratação de trabalhadores a prazo para a ocupação de postos de trabalho permanentes. </p> <p><a href="%20http:/www.fectrans.pt/images/informacao/comunicados/Comunicado_STRUP_janeiro_2017.pdf" target="_blank" title="comunicado strup fectrans">Ler comunicado do STRUP.</a></p></div> COMBATE À PRECARIEDADE TEM QUE COMEÇAR PELO GOVERNO 2016-11-15T16:28:57+00:00 2016-11-15T16:28:57+00:00 http://www.uniaolisboa-cgtp.pt/emprego/1397-combate-a-precariedade-tem-que-comecar-pelo-governo João Casanova joao.casanova@netcabo.pt <div class="feed-description"><p><a href="images/stories/PDFs/20161114%20-%20Projecto%20de%20carta%20Carta%20Aber_.pdf" target="_blank" title="COMBATE À PRECARIEDADE TEM QUE COMEÇAR PELO GOVERNO"><img src="images/stories/uniao_imgs/2016/NOV/capa_dossier_precariedade.jpg" border="0" alt="COMBATE À PRECARIEDADE TEM QUE COMEÇAR PELO GOVERNO" width="264" style="float: left; border: 0;" /></a>Ontem dia 14, uma delegação da USL e Sindicatos entregou ao Primeiro-Ministro um dossier com exemplos concretos de situações de precariedade  existentes, tanto no sector público como no privado, no Distrito de Lisboa. Nesta acção também foi entregue uma carta aberta ao primeiro-ministro, colocando a responsabilidade no governo de dar o exemplo para as empresas do sector privado, “enterrando” a legislação com os constrangimentos de admissão de trabalhadores e promovendo a admissão dos trabalhadores necessários nos organismos e empresas que tutela. Sendo necessário, ao mesmo tempo dotar as entidades respectivas de meios e orientação de actuação firme perante as situações de recurso ilegal de precariedade laboral.</p> <p><a href="images/stories/PDFs/20161114%20-%20Projecto%20de%20carta%20Carta%20Aber_.pdf" target="_blank" title="COMBATE À PRECARIEDADE TEM QUE COMEÇAR PELO GOVERNO">Ler carta aberta.</a></p></div> <div class="feed-description"><p><a href="images/stories/PDFs/20161114%20-%20Projecto%20de%20carta%20Carta%20Aber_.pdf" target="_blank" title="COMBATE À PRECARIEDADE TEM QUE COMEÇAR PELO GOVERNO"><img src="images/stories/uniao_imgs/2016/NOV/capa_dossier_precariedade.jpg" border="0" alt="COMBATE À PRECARIEDADE TEM QUE COMEÇAR PELO GOVERNO" width="264" style="float: left; border: 0;" /></a>Ontem dia 14, uma delegação da USL e Sindicatos entregou ao Primeiro-Ministro um dossier com exemplos concretos de situações de precariedade  existentes, tanto no sector público como no privado, no Distrito de Lisboa. Nesta acção também foi entregue uma carta aberta ao primeiro-ministro, colocando a responsabilidade no governo de dar o exemplo para as empresas do sector privado, “enterrando” a legislação com os constrangimentos de admissão de trabalhadores e promovendo a admissão dos trabalhadores necessários nos organismos e empresas que tutela. Sendo necessário, ao mesmo tempo dotar as entidades respectivas de meios e orientação de actuação firme perante as situações de recurso ilegal de precariedade laboral.</p> <p><a href="images/stories/PDFs/20161114%20-%20Projecto%20de%20carta%20Carta%20Aber_.pdf" target="_blank" title="COMBATE À PRECARIEDADE TEM QUE COMEÇAR PELO GOVERNO">Ler carta aberta.</a></p></div> BASTA DE PRECARIEDADE! – USL ENTREGA AO 1º MINISTRO DOSSIER COM EXEMPLOS CONCRETOS 2016-11-10T10:57:58+00:00 2016-11-10T10:57:58+00:00 http://www.uniaolisboa-cgtp.pt/emprego/1396-basta-de-precariedade-usl-entrega-ao-1-ministro-dossier-com-exemplos-concretos João Casanova joao.casanova@netcabo.pt <div class="feed-description"><p><a href="http://www.cgtp.pt/garantir-o-direito-a-contratacao-colectiva" target="_blank" title="PETIÇÃO - DEFENDE A CONTRATAÇÃO COLECTIVA! "><img src="images/stories/uniao_imgs/2016/SET/botao-peticao.jpg" border="0" width="264" style="float: left; border: 0;" /></a>No dia 14 de Novembro pelas 14h30, sindicatos do distrito de Lisboa vão entregar ao 1º Ministro um dossier com exemplos concretos de situações de precariedade e também a ameaça de desemprego de trabalhadores com vínculo precário. A precariedade do emprego radica no modelo económico existente em Portugal, que se baseia no trabalho com vínculos precários, nos baixos salários e em baixas qualificações. A precariedade dos vínculos serve de chantagem e assédio sobre os trabalhadores para pagar baixos salários e limitar o exercício dos direitos laborais e as reivindicações por melhores salários. É urgente erradicar a precariedade e alterar o modelo de desenvolvimento. É necessário valorizar o trabalho e os trabalhadores.</p></div> <div class="feed-description"><p><a href="http://www.cgtp.pt/garantir-o-direito-a-contratacao-colectiva" target="_blank" title="PETIÇÃO - DEFENDE A CONTRATAÇÃO COLECTIVA! "><img src="images/stories/uniao_imgs/2016/SET/botao-peticao.jpg" border="0" width="264" style="float: left; border: 0;" /></a>No dia 14 de Novembro pelas 14h30, sindicatos do distrito de Lisboa vão entregar ao 1º Ministro um dossier com exemplos concretos de situações de precariedade e também a ameaça de desemprego de trabalhadores com vínculo precário. A precariedade do emprego radica no modelo económico existente em Portugal, que se baseia no trabalho com vínculos precários, nos baixos salários e em baixas qualificações. A precariedade dos vínculos serve de chantagem e assédio sobre os trabalhadores para pagar baixos salários e limitar o exercício dos direitos laborais e as reivindicações por melhores salários. É urgente erradicar a precariedade e alterar o modelo de desenvolvimento. É necessário valorizar o trabalho e os trabalhadores.</p></div> PETIÇÃO - DEFENDE A CONTRATAÇÃO COLECTIVA! 2016-09-28T13:02:25+01:00 2016-09-28T13:02:25+01:00 http://www.uniaolisboa-cgtp.pt/emprego/1363-peticao-defende-a-contratacao-colectiva João Casanova joao.casanova@netcabo.pt <div class="feed-description"><p><a href="http://www.cgtp.pt/garantir-o-direito-a-contratacao-colectiva" target="_blank" title="PETIÇÃO - DEFENDE A CONTRATAÇÃO COLECTIVA! "><img src="images/stories/uniao_imgs/2016/SET/botao-peticao.jpg" border="0" alt="PETIÇÃO - DEFENDE A CONTRATAÇÃO COLECTIVA! " width="264" style="float: left; border: 0;" /></a>Junta a tua assinatura à de tantos outros trabalhadores dando desta forma expressão às seguintes exigências:</p> <p>A efectivação do direito de contratação colectiva, consagrado na Constituição, no sentido de assegurar:</p> <p>- A revogação da caducidade; a aplicação da norma que prevê a renovação automática das convenções; a reintrodução do princípio do tratamento mais favorável ao trabalhador; a reversão da possibilidade de suspensão temporária das convenções;</p> <p>- A revogação das normas gravosas da lei geral do trabalho em funções públicas; a reposição do vínculo por nomeação e a garantia do direito de negociação e de contratação colectiva na Administração Pública;</p> <p>- O aumento anual e geral dos salários e o descongelamento das progressões nas carreiras profissionais;</p> <p>- A revogação do D.L. nº 133/2013 (regime jurídico do sector público empresarial), designadamente na parte que colide com o direito de contratação colectiva.</p> <p><span style="font-size: 12.16px; line-height: 1.3em;">GARANTIR O DIREITO À CONTRATAÇÃO COLECTIVA</span></p> <p>REVOGAR A NORMA DA CADUCIDADE DAS CONVENÇÕES COLECTIVAS</p> <p>ASSEGURAR O DIREITO DE NEGOCIAÇÃO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA</p> <p><a href="http://www.cgtp.pt/garantir-o-direito-a-contratacao-colectiva" target="_blank" title="PETIÇÃO - DEFENDE A CONTRATAÇÃO COLECTIVA! ">ASSINA AQUI A PETIÇÃO!</a></p></div> <div class="feed-description"><p><a href="http://www.cgtp.pt/garantir-o-direito-a-contratacao-colectiva" target="_blank" title="PETIÇÃO - DEFENDE A CONTRATAÇÃO COLECTIVA! "><img src="images/stories/uniao_imgs/2016/SET/botao-peticao.jpg" border="0" alt="PETIÇÃO - DEFENDE A CONTRATAÇÃO COLECTIVA! " width="264" style="float: left; border: 0;" /></a>Junta a tua assinatura à de tantos outros trabalhadores dando desta forma expressão às seguintes exigências:</p> <p>A efectivação do direito de contratação colectiva, consagrado na Constituição, no sentido de assegurar:</p> <p>- A revogação da caducidade; a aplicação da norma que prevê a renovação automática das convenções; a reintrodução do princípio do tratamento mais favorável ao trabalhador; a reversão da possibilidade de suspensão temporária das convenções;</p> <p>- A revogação das normas gravosas da lei geral do trabalho em funções públicas; a reposição do vínculo por nomeação e a garantia do direito de negociação e de contratação colectiva na Administração Pública;</p> <p>- O aumento anual e geral dos salários e o descongelamento das progressões nas carreiras profissionais;</p> <p>- A revogação do D.L. nº 133/2013 (regime jurídico do sector público empresarial), designadamente na parte que colide com o direito de contratação colectiva.</p> <p><span style="font-size: 12.16px; line-height: 1.3em;">GARANTIR O DIREITO À CONTRATAÇÃO COLECTIVA</span></p> <p>REVOGAR A NORMA DA CADUCIDADE DAS CONVENÇÕES COLECTIVAS</p> <p>ASSEGURAR O DIREITO DE NEGOCIAÇÃO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA</p> <p><a href="http://www.cgtp.pt/garantir-o-direito-a-contratacao-colectiva" target="_blank" title="PETIÇÃO - DEFENDE A CONTRATAÇÃO COLECTIVA! ">ASSINA AQUI A PETIÇÃO!</a></p></div> POR UMA POLÍTICA DE MAIS E MELHOR EMPREGO, URGE LUTAR CONTRA A PRECARIEDADE! 2016-08-11T11:19:30+01:00 2016-08-11T11:19:30+01:00 http://www.uniaolisboa-cgtp.pt/emprego/1353-por-uma-politica-de-mais-e-melhor-emprego-urge-lutar-contra-a-precariedade João Casanova joao.casanova@netcabo.pt <div class="feed-description"><p><img src="images/stories/uniao_imgs/2016/AGO/cartazete-4cores.jpg" border="0" alt="POR UMA POLÍTICA DE MAIS E MELHOR EMPREGO, URGE LUTAR CONTRA A PRECARIEDADE!" width="264" style="float: left; border: 0;" />Os dados do Inquérito ao Emprego, relativos ao segundo trimestre de 2016, mostram uma recuperação do emprego e redução do desemprego. A melhoria destes dois indicadores no 2º trimestre em relação ao trimestre anterior é comum verificar-se, por impulso da sazonalidade ao nível das actividades agrícola e turística, mas regista-se também uma evolução positiva em relação ao mesmo período de 2015. <span style="font-size: 12.16px; line-height: 1.3em;">Os contratos precários continuam a ser a marca do emprego em Portugal e, neste 2º trimestre, somaram-se mais 40 mil vínculos precários aos 855 mil já existentes no início do ano (considerando contratos de trabalho com termo e outras formas de vínculos não permanentes). A precariedade, já estendida a todos os sectores de actividade e grupos etários, acentuou-se com a política de direita do Governo PSD/CDS-PP, em conluio com a Troica, e nunca atingiu níveis tão elevados: quase um quarto dos trabalhadores por conta de outrem têm um vínculo precário e, desde o final de 2013, que oito em cada dez novos contratos de trabalho são precários.</span></p> </div> <div class="feed-description"><p><img src="images/stories/uniao_imgs/2016/AGO/cartazete-4cores.jpg" border="0" alt="POR UMA POLÍTICA DE MAIS E MELHOR EMPREGO, URGE LUTAR CONTRA A PRECARIEDADE!" width="264" style="float: left; border: 0;" />Os dados do Inquérito ao Emprego, relativos ao segundo trimestre de 2016, mostram uma recuperação do emprego e redução do desemprego. A melhoria destes dois indicadores no 2º trimestre em relação ao trimestre anterior é comum verificar-se, por impulso da sazonalidade ao nível das actividades agrícola e turística, mas regista-se também uma evolução positiva em relação ao mesmo período de 2015. <span style="font-size: 12.16px; line-height: 1.3em;">Os contratos precários continuam a ser a marca do emprego em Portugal e, neste 2º trimestre, somaram-se mais 40 mil vínculos precários aos 855 mil já existentes no início do ano (considerando contratos de trabalho com termo e outras formas de vínculos não permanentes). A precariedade, já estendida a todos os sectores de actividade e grupos etários, acentuou-se com a política de direita do Governo PSD/CDS-PP, em conluio com a Troica, e nunca atingiu níveis tão elevados: quase um quarto dos trabalhadores por conta de outrem têm um vínculo precário e, desde o final de 2013, que oito em cada dez novos contratos de trabalho são precários.</span></p> </div> A USL INICIOU HOJE, NO DISTRITO, A CAMPANHA NACIONAL CONTRA A PRECARIEDADE 2016-07-20T14:47:31+01:00 2016-07-20T14:47:31+01:00 http://www.uniaolisboa-cgtp.pt/emprego/1344-a-usl-iniciou-hoje-no-distrito-a-campanha-nacional-contra-a-precariedade João Casanova joao.casanova@netcabo.pt <div class="feed-description"><p><img src="images/stories/uniao_imgs/2016/JUL/tp_contra_precarieade_aeroporto.jpg" border="0" alt="A USL INICIOU HOJE, NO DISTRITO, A CAMPANHA NACIONAL CONTRA A PRECARIEDADE" width="264" style="float: left; border: 0;" />A Campanha Nacional contra a precariedade, promovida pela CGTP-IN, teve hoje o seu pontapé de saída, em Lisboa. Largas dezenas de activistas, delegados e dirigentes sindicais, representando os sindicatos, SITAVA, SNTCT, CESP, STAD, STRUP e HOTELARIA realizaram uma tribuna pública no Aeroporto de Lisboa. Por ser este o maior local de trabalho da área metropolitana de Lisboa, onde trabalham milhares de trabalhadores de diferentes sectores de actividade: do handling, do comercio, da hotelaria, dos correios, do transporte rodoviário, dos bombeiros da vigilância e da limpeza. Neste local de trabalho travam-se diariamente importantes lutas contra a exploração e a precariedade laboral. </p> <p><a href="images/stories/PDFs/tarjeta_tp_aeroporto_precariedade.pdf" target="_self" title="tarja distribuida aos trabalhadores, turistas e população">Ler tarjeta distribuída aos trabalhadores, turistas e população em geral.</a></p> </div> <div class="feed-description"><p><img src="images/stories/uniao_imgs/2016/JUL/tp_contra_precarieade_aeroporto.jpg" border="0" alt="A USL INICIOU HOJE, NO DISTRITO, A CAMPANHA NACIONAL CONTRA A PRECARIEDADE" width="264" style="float: left; border: 0;" />A Campanha Nacional contra a precariedade, promovida pela CGTP-IN, teve hoje o seu pontapé de saída, em Lisboa. Largas dezenas de activistas, delegados e dirigentes sindicais, representando os sindicatos, SITAVA, SNTCT, CESP, STAD, STRUP e HOTELARIA realizaram uma tribuna pública no Aeroporto de Lisboa. Por ser este o maior local de trabalho da área metropolitana de Lisboa, onde trabalham milhares de trabalhadores de diferentes sectores de actividade: do handling, do comercio, da hotelaria, dos correios, do transporte rodoviário, dos bombeiros da vigilância e da limpeza. Neste local de trabalho travam-se diariamente importantes lutas contra a exploração e a precariedade laboral. </p> <p><a href="images/stories/PDFs/tarjeta_tp_aeroporto_precariedade.pdf" target="_self" title="tarja distribuida aos trabalhadores, turistas e população">Ler tarjeta distribuída aos trabalhadores, turistas e população em geral.</a></p> </div> SCOTTURB: PARA MIM TUDO... PARA VOCÊS 24 CÊNTIMOS 2016-07-15T14:37:42+01:00 2016-07-15T14:37:42+01:00 http://www.uniaolisboa-cgtp.pt/emprego/1341-scotturb-para-mim-tudo-para-voces-24-centimos João Casanova joao.casanova@netcabo.pt <div class="feed-description"><p><img src="images/stories/uniao_imgs/2016/JUL/Para_voces_24_centimos.jpg" border="0" alt="SCOTTURB: PARA MIM TUDO... PARA VOCÊS 24 CÊNTIMOS" width="264" style="float: left; border: 0;" />Na reunião FECTRANS / SCOTTURB de dia 12 de Julho, foram apresentadas os argumentos para a continuidade do processo de negociação. Entende a FECTRANS, que face ao contexto actual no sector dos transportes, apoiado no argumento real da livre concorrência, a administração não pode manter a sua posição de rotura face ao CCTV, e como tal devem ser debatidas as propostas apresentadas, por ambas as partes.</p> <p><a href="http://fectrans.pt/images/informacao/comunicados/Comunicado_STRUP_julho-2016.pdf" target="_blank" title="Comunicado aos trabalhadores strup">Ler comunicado do STRUP aos trabalhadores.</a></p></div> <div class="feed-description"><p><img src="images/stories/uniao_imgs/2016/JUL/Para_voces_24_centimos.jpg" border="0" alt="SCOTTURB: PARA MIM TUDO... PARA VOCÊS 24 CÊNTIMOS" width="264" style="float: left; border: 0;" />Na reunião FECTRANS / SCOTTURB de dia 12 de Julho, foram apresentadas os argumentos para a continuidade do processo de negociação. Entende a FECTRANS, que face ao contexto actual no sector dos transportes, apoiado no argumento real da livre concorrência, a administração não pode manter a sua posição de rotura face ao CCTV, e como tal devem ser debatidas as propostas apresentadas, por ambas as partes.</p> <p><a href="http://fectrans.pt/images/informacao/comunicados/Comunicado_STRUP_julho-2016.pdf" target="_blank" title="Comunicado aos trabalhadores strup">Ler comunicado do STRUP aos trabalhadores.</a></p></div> DIA 20 DE JULHO - TRIBUNA PÚBLICA NO AEROPORTO - COM A PRECARIEDADE NÃO CHEGAMOS A LADO NENHUM 2016-07-14T10:56:59+01:00 2016-07-14T10:56:59+01:00 http://www.uniaolisboa-cgtp.pt/emprego/1338-dia-20-de-julho-tribuna-publica-no-aeroporto-com-a-precariedade-nao-chegamos-a-lado-nenhum João Casanova joao.casanova@netcabo.pt <div class="feed-description"><p><a href="http://www.cgtp.pt/cgtp-in/areas-de-accao/accao-reivindicativa/209-campanhas/9565-nao-a-precariedade" title="Campanha Nacional contra a precariedade"><img src="images/stories/uniao_imgs/2016/JUL/tribuna_publica_aeroporto_precariedade.jpg" border="0" alt="DIA 20 DE JULHO - TRIBUNA PÚBLICA NO AEROPORTO - COM A PRECARIEDADE NÃO CHEGAMOS A LADO NENHUM" width="264" style="float: left; border: 0;" /></a>O Aeroporto de Lisboa é o maior local de trabalho da área metropolitana de Lisboa, aqui trabalham milhares de trabalhadores de diferentes sectores de actividade: do handling, do comercio, da hotelaria, dos correios, do transporte rodoviário, dos bombeiros da vigilância e da limpeza. Neste local de trabalho travam-se diariamente importantes lutas contra a exploração e a precariedade laboral. </p> <p>Uma grande parte dos trabalhadores ganham cerca de 530€, com contratos precários, os mesmos trabalhadores que despacham as malas e tratam da segurança de todos os passageiros. A realização desta tribuna pública, no dia 20 de Julho entre as 10 e as 14 horas, servirá para denunciar a precariedade vivida neste local de trabalho. Servirá também para informar todos os utilizadores do aeroporto da realidade vivida por quem lá trabalha. Esta Tribuna Pública é inserida na <a href="http://www.cgtp.pt/cgtp-in/areas-de-accao/accao-reivindicativa/209-campanhas/9565-nao-a-precariedade" target="_blank" title="Campanha Nacional contra a precariedade">campanha nacional da CGTP-IN contra a precariedade.</a></p> </div> <div class="feed-description"><p><a href="http://www.cgtp.pt/cgtp-in/areas-de-accao/accao-reivindicativa/209-campanhas/9565-nao-a-precariedade" title="Campanha Nacional contra a precariedade"><img src="images/stories/uniao_imgs/2016/JUL/tribuna_publica_aeroporto_precariedade.jpg" border="0" alt="DIA 20 DE JULHO - TRIBUNA PÚBLICA NO AEROPORTO - COM A PRECARIEDADE NÃO CHEGAMOS A LADO NENHUM" width="264" style="float: left; border: 0;" /></a>O Aeroporto de Lisboa é o maior local de trabalho da área metropolitana de Lisboa, aqui trabalham milhares de trabalhadores de diferentes sectores de actividade: do handling, do comercio, da hotelaria, dos correios, do transporte rodoviário, dos bombeiros da vigilância e da limpeza. Neste local de trabalho travam-se diariamente importantes lutas contra a exploração e a precariedade laboral. </p> <p>Uma grande parte dos trabalhadores ganham cerca de 530€, com contratos precários, os mesmos trabalhadores que despacham as malas e tratam da segurança de todos os passageiros. A realização desta tribuna pública, no dia 20 de Julho entre as 10 e as 14 horas, servirá para denunciar a precariedade vivida neste local de trabalho. Servirá também para informar todos os utilizadores do aeroporto da realidade vivida por quem lá trabalha. Esta Tribuna Pública é inserida na <a href="http://www.cgtp.pt/cgtp-in/areas-de-accao/accao-reivindicativa/209-campanhas/9565-nao-a-precariedade" target="_blank" title="Campanha Nacional contra a precariedade">campanha nacional da CGTP-IN contra a precariedade.</a></p> </div> MODELO DE BAIXOS SALÁRIOS COMPROMETE O DESENVOLVIMENTO E O PROGRESSO SOCIAL 2016-06-22T10:06:35+01:00 2016-06-22T10:06:35+01:00 http://www.uniaolisboa-cgtp.pt/emprego/1319-modelo-de-baixos-salarios-compromete-o-desenvolvimento-e-o-progresso-social João Casanova joao.casanova@netcabo.pt <div class="feed-description"><p><img src="images/stories/uniao_imgs/2016/JUN/cgtp-inter.jpg" border="0" alt="MODELO DE BAIXOS SALÁRIOS COMPROMETE O DESENVOLVIMENTO E O PROGRESSO SOCIAL" width="264" style="float: left; border: 0;" />A CGTP-IN considera inaceitável que haja declarações de membros do Governo que objectivamente incentivam o modelo de baixos salários e de longos horários de trabalho, que a Comissão Europeia entenda que o direito de contratação colectiva constitui um obstáculo ao investimento e que uma instituição com a responsabilidade da Agência de Gestão de Tesouraria da Divida Pública (IGCP) promova a venda de dívida pública junto dos investidores, particularmente dos investidores externos, referindo como positiva nomeadamente a alta flexibilidade salarial, a fraca legislação de protecção de emprego, a reduzida cobertura das prestações de desemprego e o programa de privatizações. Estas mensagens e acções são contraditórias com as promessas de um novo modelo de crescimento e de desenvolvimento do país, em que são peças essenciais a ruptura com as políticas de exploração e empobrecimento, desenvolvidas pelo anterior Governo do PSD-CDS, a valorização do trabalho e a dignificação dos trabalhadores, uma mais justa distribuição da riqueza e uma sociedade mais coesa e com menos desigualdades. Comprometem o nosso futuro económico e social porque dão continuidade a políticas que tornaram o país mais pobre e vulnerável.</p> </div> <div class="feed-description"><p><img src="images/stories/uniao_imgs/2016/JUN/cgtp-inter.jpg" border="0" alt="MODELO DE BAIXOS SALÁRIOS COMPROMETE O DESENVOLVIMENTO E O PROGRESSO SOCIAL" width="264" style="float: left; border: 0;" />A CGTP-IN considera inaceitável que haja declarações de membros do Governo que objectivamente incentivam o modelo de baixos salários e de longos horários de trabalho, que a Comissão Europeia entenda que o direito de contratação colectiva constitui um obstáculo ao investimento e que uma instituição com a responsabilidade da Agência de Gestão de Tesouraria da Divida Pública (IGCP) promova a venda de dívida pública junto dos investidores, particularmente dos investidores externos, referindo como positiva nomeadamente a alta flexibilidade salarial, a fraca legislação de protecção de emprego, a reduzida cobertura das prestações de desemprego e o programa de privatizações. Estas mensagens e acções são contraditórias com as promessas de um novo modelo de crescimento e de desenvolvimento do país, em que são peças essenciais a ruptura com as políticas de exploração e empobrecimento, desenvolvidas pelo anterior Governo do PSD-CDS, a valorização do trabalho e a dignificação dos trabalhadores, uma mais justa distribuição da riqueza e uma sociedade mais coesa e com menos desigualdades. Comprometem o nosso futuro económico e social porque dão continuidade a políticas que tornaram o país mais pobre e vulnerável.</p> </div> GUARDAS PRISIONAIS FAZEM VIGÍLIA PELAS 35 HORAS 2016-06-16T11:09:23+01:00 2016-06-16T11:09:23+01:00 http://www.uniaolisboa-cgtp.pt/emprego/1315-guardas-prisionais-fazem-vigilia-pelas-35-horas João Casanova joao.casanova@netcabo.pt <div class="feed-description"><p><img src="images/stories/uniao_imgs/2016/JUN/guardas_prisionais_35_horas.jpg" border="0" alt="GUARDAS PRISIONAIS FAZEM VIGÍLIA PELAS 35 HORAS" width="264" style="float: left; border: 0;" />A aplicação das 35 horas de trabalho é uma das reivindicações na base da vigília que o Sindicato Nacional do Corpo da Guarda Prisional promove esta quarta-feira junto à residência oficial do primeiro-ministro, em Lisboa. Em comunicado, a direcção do Sindicato Nacional do Corpo da Guarda Prisional refere que a vigília, que inclui uma reunião, pretende ainda ver regulamentadas as portarias e regulamentos previstos no estatuto profissional, assim como a entrada em vigor dos níveis remuneratórios. A regulamentação do horário de trabalho, a aplicação da aposentação de acordo com a equiparação à Polícia de Segurança Pública (PSP), o pagamento do subsídio de turno, o preenchimento dos lugares vagos das diversas categorias de acordo com o previsto no mapa de pessoal para 2016 são também objectivos da vigília. Os guardas prisionais afectos a este sindicato pretendem ainda que lhes seja aplicada a pré-aposentação de acordo com a equiparação à PSP e de acordo com o que está previsto na lei do Orçamento do Estado para a PSP. A iniciativa decorrerá entre as 11 e as 14 horas, refere o comunicado do sindicato presidido por Jorge Alves.</p></div> <div class="feed-description"><p><img src="images/stories/uniao_imgs/2016/JUN/guardas_prisionais_35_horas.jpg" border="0" alt="GUARDAS PRISIONAIS FAZEM VIGÍLIA PELAS 35 HORAS" width="264" style="float: left; border: 0;" />A aplicação das 35 horas de trabalho é uma das reivindicações na base da vigília que o Sindicato Nacional do Corpo da Guarda Prisional promove esta quarta-feira junto à residência oficial do primeiro-ministro, em Lisboa. Em comunicado, a direcção do Sindicato Nacional do Corpo da Guarda Prisional refere que a vigília, que inclui uma reunião, pretende ainda ver regulamentadas as portarias e regulamentos previstos no estatuto profissional, assim como a entrada em vigor dos níveis remuneratórios. A regulamentação do horário de trabalho, a aplicação da aposentação de acordo com a equiparação à Polícia de Segurança Pública (PSP), o pagamento do subsídio de turno, o preenchimento dos lugares vagos das diversas categorias de acordo com o previsto no mapa de pessoal para 2016 são também objectivos da vigília. Os guardas prisionais afectos a este sindicato pretendem ainda que lhes seja aplicada a pré-aposentação de acordo com a equiparação à PSP e de acordo com o que está previsto na lei do Orçamento do Estado para a PSP. A iniciativa decorrerá entre as 11 e as 14 horas, refere o comunicado do sindicato presidido por Jorge Alves.</p></div> AS 35 HORAS DEVEM SER PARA TODOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA! 2016-06-16T10:47:50+01:00 2016-06-16T10:47:50+01:00 http://www.uniaolisboa-cgtp.pt/emprego/1312-as-35-horas-devem-ser-para-todos-na-administracao-publica João Casanova joao.casanova@netcabo.pt <div class="feed-description"><p><img src="images/stories/uniao_imgs/2016/JUN/federacao_fp_35_horas_para%20todos.jpg" border="0" alt="AS 35 HORAS DEVEM SER PARA TODOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA!" width="264" style="float: left; border: 0;" />A Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais, considera que as 35 horas semanais de trabalho, decididas na Assembleia da República, na passada semana, deverão ser aplicáveis a todos os trabalhadores da Administração Pública, incluindo àqueles que estão ao abrigo de contratos individuais de trabalho, designadamente, nos hospitais EPE. Neste sentido, esta Federação, entregou no passado dia 2 de Junho no Ministério da Saúde, um protocolo negocial, com vista à celebração de um instrumento de regulamentação colectiva de trabalho. Pretende-se com a celebração do mesmo, a definição das 35 horas como período normal de trabalho para todos os trabalhadores do Ministério da Saúde com vínculo de contrato individual de trabalho, já que não faz sentido e é inaceitável, a existência nos mesmos serviços, de dois regimes de duração de trabalho diferentes.</p> </div> <div class="feed-description"><p><img src="images/stories/uniao_imgs/2016/JUN/federacao_fp_35_horas_para%20todos.jpg" border="0" alt="AS 35 HORAS DEVEM SER PARA TODOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA!" width="264" style="float: left; border: 0;" />A Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais, considera que as 35 horas semanais de trabalho, decididas na Assembleia da República, na passada semana, deverão ser aplicáveis a todos os trabalhadores da Administração Pública, incluindo àqueles que estão ao abrigo de contratos individuais de trabalho, designadamente, nos hospitais EPE. Neste sentido, esta Federação, entregou no passado dia 2 de Junho no Ministério da Saúde, um protocolo negocial, com vista à celebração de um instrumento de regulamentação colectiva de trabalho. Pretende-se com a celebração do mesmo, a definição das 35 horas como período normal de trabalho para todos os trabalhadores do Ministério da Saúde com vínculo de contrato individual de trabalho, já que não faz sentido e é inaceitável, a existência nos mesmos serviços, de dois regimes de duração de trabalho diferentes.</p> </div> ASSÉDIO EXIGE UMA RESPOSTA FORTE E FIRME POR PARTE DOS SINDICATOS 2016-06-09T10:30:25+01:00 2016-06-09T10:30:25+01:00 http://www.uniaolisboa-cgtp.pt/emprego/1311-assedio-exige-uma-resposta-forte-e-firme-por-parte-dos-sindicatos João Casanova joao.casanova@netcabo.pt <div class="feed-description"><p><img src="images/stories/uniao_imgs/2016/JUN/encontro_assedio_moral_junho_2016_02.jpg" border="0" alt="encontro assédio moral" width="264" style="float: left; border: 0;" /></p> <p>No dia 7 de Junho a USL/CGTP-IN promoveu um encontro no auditório do STEC, sob o lema "Assédio Moral e Sexual nos locais de trabalho - Conhecer, Indentificar, Intervir e Combater." O Assédio Moral está muito associado à intensificação da exploração, à precariedade, à vulnerabilidade, à chantagem e à repressão nos locais de trabalho. Tem várias dimensões e repercussões na vida pessoal, familiar e laboral dos trabalhadores. Tal como referiu na sua intervenção, o médico Silva Santos, este é um fenómeno subtil mas altamente destrutivo da saúde dos trabalhadores, que tem origem em locais de trabalho "doentes".</p> </div> <div class="feed-description"><p><img src="images/stories/uniao_imgs/2016/JUN/encontro_assedio_moral_junho_2016_02.jpg" border="0" alt="encontro assédio moral" width="264" style="float: left; border: 0;" /></p> <p>No dia 7 de Junho a USL/CGTP-IN promoveu um encontro no auditório do STEC, sob o lema "Assédio Moral e Sexual nos locais de trabalho - Conhecer, Indentificar, Intervir e Combater." O Assédio Moral está muito associado à intensificação da exploração, à precariedade, à vulnerabilidade, à chantagem e à repressão nos locais de trabalho. Tem várias dimensões e repercussões na vida pessoal, familiar e laboral dos trabalhadores. Tal como referiu na sua intervenção, o médico Silva Santos, este é um fenómeno subtil mas altamente destrutivo da saúde dos trabalhadores, que tem origem em locais de trabalho "doentes".</p> </div>