CONCENTRAÇÃO NO PINGO DOCE DE SASSOEIROS

“É justo e necessário o aumento dos salários” foi uma das palavras de ordem ouvidas na concentração dos trabalhadores em frente da loja do Pingo Doce de Sassoeiros. Os trabalhadores denunciam os milhões de lucros ganhos à custa dos baixos salários, da prática de horários selvagens, esta é uma das acções que vai culminar, no dia 12 de Setembro, na greve dos trabalhadores abrangidos pelo contrato colectivo das empresas da grande distribuição.

100% DE ADESÃO À GREVE NO DIA/MINIPREÇO DE PAÇO DE ARCOS

Os trabalhadores do Dia/Minipreço estão em luta em defesa dos postos de trabalho. A loja de Paço de Arcos fechou porque os trabalhadores estão em greve. A concentração realizou-se à porta da loja, denunciando a falta de ética e de respeito por parte da empresa, que ao passar a loja para terceiros, não salvaguarda os postos de trabalho e os direitos dos trabalhadores. A luta vai continuar e é já no próximo dia 12 de Setembro.

TRABALHADORES DO CHLN EM GREVE - “TEMPO DE SERVIÇO NÃO É PARA IR PARA O LIXO”

O Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais do Sul e Açores promoveram hoje, a partir das 11h00, uma concentração em frente ao Hospital Santa Maria. Os trabalhadores com Contrato Individual  de trabalho (CIT) do Centro Hospitalar Lisboa Norte (CHLN), exigem a contagem do tempo serviço, para efeito de posicionamento remuneratório.

O Governo impediu que ficasse salvaguardado no Acordo Colectivo de Trabalho celebrado com a Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores Em Funções Públicas e Sociais e os Hospitais E.P.E., a contagem do tempo serviço, para efeito de posicionamento remuneratório, para os trabalhadores em CIT, tendo empurrado esta responsabilidade para os Concelhos de Administração, através de regulamento Interno.

É inaceitável que trabalhadores, alguns há mais de 20 anos a trabalhar nos hospitais E.P.E., não vejam reconhecido o tempo de serviço, recebendo salários de miséria, e nalguns casos não poderem optar pelas 35 horas de trabalho semanal, sob pena de receberem menos salário. O Sindicato exige uma resposta urgente por parte do C. A. para a injustiça com que estão confrontados muitos destes trabalhadores.

FECTRANS-CGTP/IN CONTESTA INTRODUÇÃO DE PAGAMENTO AOS TRABALHADORES NÃO SINDICALIZADOS!

A União dos Sindicatos de Lisboa/CGTP-IN solidarizou-se com a luta desenvolvida pela FECTRANS e pelo STRUP, na concentração realizada no dia 24 de Julho em frente à CML. Esta acção foi convocada após a administração da CARRIS ter alterado o texto final, introduzindo uma nova cláusula que pretende regular a adesão dos trabalhadores não sindicalizados ao novo A.E., obrigando esses trabalhadores a pagar aos sindicatos 0,4% do salário ilíquido. A FECTRANS/CGTP-IN recusa esta matéria, pois interfere com a autonomia e organização dos sindicatos.

FORTE ADESÃO À LUTA CONVOCADA PELA FENPROF

A FENPROF convocou  greve e concentrações em 16 cidades do país, no dia 13 de Julho. Em Lisboa foi em frente ao Ministério da Educação que Professores e Educadores se concentraram para exigir a contabilização o tempo de serviço de 9 anos, 4 meses e dois dias que o Governo teima em não considerar.

A luta desenvolvida pela contabilização total dos anos de serviço levou a que o Governo aceitasse voltar à mesa negocial e estudar a possibilidade de descongelamento da carreira. Os professores aprovaram uma Moção, onde está sublinhado a continuação da luta, nomeadamente na semana que termina a 5 de Outubro, Dia Mundial do Professor. Esta acção terminou com a exigência de mais investimento na escola pública e na qualidade da educação.

TRABALHADORES DA GEBALIS EXIGEM O CUMPRIMENTO DO ACORDO DE EMPRESA

Dirigentes do STML e do STAL, em conjunto com membros da Comissão de Trabalhadores da GEBALIS, entregaram, no dia 11 de Julho ao Presidente da CML, o abaixo-assinado que reuniu a concordância de cerca de 80% dos trabalhadores da empresa.

Neste abaixo-assinado denunciou-se a interpretação abusiva do Conselho de Administração da empresa em relação à transição para a nova tabela remuneratória, decisão incompreensível considerando o disposto no Acordo de Empresa celebrado em 2017 com ambos os sindicatos.

 

A luta irá continuar nos moldes que os trabalhadores decidirem.

DIRIGENTES E ACTIVISTAS SINDICAIS CONCENTRAM-SE EM FRENTE À ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

A CGTP-IN não desarma e levou a cabo uma grande concentração frente à Assembleia da República, no dia 6 de Julho, “… porque hoje muito se discute sobre o futuro dos trabalhadores”.
Neste dia o Governo levou à Assembleia da República a discussão da proposta de alteração da legislação laboral que sob a capa  do combate à precariedade e da dinamização da contratação colectiva, que pretende aniquilar contratos colectivos que contêm direitos, aumentar a precariedade e a exploração.
Na concentração foi lembrado a todos que “… lutámos intensamente para derrubar as políticas impostas pela troika, a política de direita, por isso afirmamos não há política de esquerda com  legislação laboral de direita!”. A luta vai continuar! 

PLENÁRIO DE SINDICATOS SAI À RUA

Sob o lema LUTAR PELOS DIREITOS, VALORIZAR OS TRABALHADORES, realizou-se no dia 21 de Junho, no Forum Roma o Plenário de Sindicatos da CGTP-IN. Os  sindicatos deram um grande enfoque sobre a situação social que se vive em muitos sectores de actividade tanto no sector público como no sector privado. Foi reafirmada a necessidade de um grande combate e esclarecimento sobre o acordo firmado entre a UGT e o patronato na concertação social, que é contrário aos interesses dos trabalhadores e ao desenvolvimento do país, acentua desequilíbrios na repartição da riqueza, que põe em causa a segurança no emprego, que perpetua a precariedade, que ataca a contratação colectiva e que reduz direitos e rendimentos dos trabalhadores.
O plenário saiu à rua e dirigiu-se para o Ministério do Emprego, na Praça de Londres, onde foi aprovada uma resolução que também apelava  à participação na Concentração Nacional de 6 de Julho, junto da Assembleia da República, dia em que será discutida a proposta de lei do Governo PS, que merece de todos os trabalhadores o mais veemente repúdio, o seu protesto e a luta.

JUNTOS PELA VALORIZAÇÃO DO TRABALHO

No dia 9 de Junho, a CGTP-IN realizou uma grande manifestação Nacional,  sob o lema Lutar pelos Direitos, Valorizar os Trabalhadores. Esta acção partiu do Campo Pequeno e culminou junto ao Marquês de Pombal. Esta acção constituiu um grande protesto contra as propostas apresentadas pelo governo em matéria de legislação laboral (caducidade da contratação colectiva, a imposição do banco de 150 horas anuais, alargamento do período  experimental para 180 dias) que comprovam a justeza da convocação desta acção de luta. Arménio Carlos, Secretário Geral da CGTP-IN, referiu que a valorização dos trabalhadores passa também pelo aumento geral dos salários, pelo aumento das pensões de reforma e pela fixação em 650€ do SMN em Janeiro de 2019. Nesta acção foi aprovada uma resolução. 

Está em... Home Acção Reivindicativa